Um espaço aberto para você contar suas histórias

A Memória Popular da Pandemia é uma iniciativa de fortalecimento das resistências narrativas e estratégias populares no contexto da pandemia. É uma ferramenta de escuta individual e coletiva. Aqui, você pode contar, ouvir, trocar e registrar relatos sobre como tem sido a sua vida durante a pandemia da Covid-19. Compartilhar o seu relato pode ser uma forma de colaborar para a preservação do passado, fortalecer a resistência no tempo presente e construir as bases do futuro.

Por que contar a nossa história

Sobre a importância de registrar as histórias das pessoas.

“A nossa escrevivência não pode ser lida como histórias para ‘ninar os da Casa Grande’ e sim para incomodá-los em seus sonos injustos”

- Conceição Evaristo
V

Vivemos em um momento difícil no Brasil e no mundo. O ano de 2020 começou nos trazendo uma crise sem precedentes, de proporções globais, por conta da pandemia de Coronavírus (Covid-19). Em terras brasileiras, a crise sanitária escancarou a brutal desigualdade do nosso país, somou-se às tensões políticas e potencializou a crise econômica, política, ambiental, cultural e social já presentes por aqui.

Repensar os caminhos possíveis de superação dessa realidade e de construção de um futuro que não seja a “volta à normalidade” – expressa pela exploração, pelo racismo, o machismo, o patriarcado, a lGBTfobia e a desigualdade - é algo que exige, em primeiro lugar, reconhecer, conhecer e aprender com as experiências, vivências, consciências e subjetividades que emergem no/do tecido social brasileiro.

O

Os desafios impostos por essa realidade trazem não apenas a agudização do sofrimento da maioria do povo, mas põem luz a denúncias e estratégias de sobrevivência de setores invisibilizados e/ou novos sujeitos sociais coletivos. Solidariedades, diálogos, lutas, denúncias e aquilombamentos. Ações que não apenas expõem o descaso do Estado e a potencialização das desigualdades, presentes antes da pandemia, mas desafiam o sistema social que produz e reproduz as crises, apontando para novos modos de produzir, consumir e viver em sociedade.

A experiência de todos esses indivíduos, famílias, coletivos, grupos, movimentos, associações, sindicatos, redes e organizações, das mais diversas, constitui um patrimônio riquíssimo, da memória popular invisibilizada, desde sempre. É parte considerável do conhecimento e história do povo, em sua diversidade e unidade.

V

Você encontrará narrativas da pandemia que nascem no seio do povo, que fala na primeira pessoa de si, de suas dificuldades, lutas, anseios, desejos, sonhos e esperanças. Que fala das várias formas de brutalidade que nos violentam, que denuncia a falência de um regime que destruiu e destrói a esfera pública e os serviços públicos, mas também valoriza as respostas que a criatividade e combatividade são capazes de (re)inventar, a partir da contação de uma história, de forma a construir os caminhos de uma nova História.

Essas narrativas permitem a troca de experiências e projetam para o futuro o aprendizado que esta crise tem representado para tantos e tantas. Aprendizado duro, do qual podem surgir novas formas de luta e organização, novos horizontes que sepultem a sociedade que submete a vida ao lucro, o coletivo ao individual, o público e o comum ao privado. Aqui, você pode contar, ouvir, trocar, registrar histórias para, coletivamente, colaborarmos para a preservação do nosso passado, fortalecer a resistência no tempo presente e construir as bases do nosso futuro.

Quem está lembrando

Conheça o perfil de quem enviou seus relatos para a Memória Popular da Pandemia.

Gênero

28%
67%
1%
1%
1%

Homem cis

Mulher cis

Homem trans

Mulher trans

Pessoa trans não binária

Travesti

Raça

20%
50%
21%
9%

Branca

Preta

Parda

Asiática

Indígena

Estado

0

1

2-5

6-10

10+